O prefeito, Emanuel Pinheiro (MDB), afirmou na manhã desta segunda-feira (8), que a atitude do deputado federal e líder do partido (MDB) em Mato Grosso, Carlos Bezerra, em convidar seus rivais (de Emanuel), para ingressarem no partido é claramente um ‘ato falho’ em um momento de raiva e indignação.

“Eu considerei como um ato falho, não conversei com ele ainda, mas considerei como um ato falho, entendeu? É, todo mundo tem erros e acertos e eu considerei um ato falho. No momento de raiva e indignação naquele momento […] Acho que tudo vai ser conversado”, disse ele.

Entre a lista de convidados estão nomes que possuem ‘rixas’ com o atual prefeito de Cuiabá, sendo eles o governador Mauro Mendes (DEM), que recebeu o convite em dezembro de 2020 e Gisela Simona (Pros) em janeiro de 2021.

Para Gisela, o líder do partido ainda recebeu a ajuda de Janaína Riva, onde ambos telefonaram para a ex-candidata a prefeitura de Cuiabá e citaram a possibilidade de o prefeito de Cuiabá, Emanuel, deixar a sigla. Gisela disputou o Palácio Alencastro contra ele e no segundo turno optou por apoiar Abílio Junior (Podemos).

Segundo Gisela, uma das condições para a mudança do partido é a não permanência na legenda do prefeito de Cuiabá.

Durante discurso, Bezerra fez elogios a Mauro, endossou seu perfil de político executor e disse que ele tem “a cara” da sigla. “Quero convidar o governador para se filiar ao MDB. Porque o senhor faz uma política de resultado. Não da política de ‘blá blá blá’, conversa fiada e enganação. Você tem nosso estilo, é preciso naquilo que faz”, disse.