O secretário estadual de saúde, Gilberto Figueiredo, revelou durante entrevista à imprensa nesta terça-feira (6), que o Estado cobra explicações técnicas do Ministério da Saúde sobre a diferença do número de doses de vacinas distribuídas para Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

De acordo com Gilberto, a cobrança é compartilhada pela bancada mato-grossense no Congresso Nacional e pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT).

“O Ministério da Saúde tem informado que o Estado de Mato Grosso do Sul tinha mais indígena que o Estado de Mato Grosso, mandou para lá mais de 29 mil doses de vacina, alegando que tinha uma população indígena maior. Hoje eu fiquei sabendo que grande parte da vacina que foi a mais utilizada para vacinar outros públicos, porque sobrou. Mato Grosso do Sul teria uma população idosa maior que Mato Grosso, então como inicialmente a prioridade foi para a população idosa nós também recebemos menos vacinas. Agora, surpreendentemente, Mato Grosso do Sul recebeu mais vacinas para as Forças de Segurança. Precisamos ter uma explicação mais técnica sobre”, declarou o secretário.

A situação deixou o Estado como um dos piores no ranking de vacinação. Além disso, o secretário afirmou que muitos prefeitos não estão atualizando o número de vacinados em Mato Grosso, o que gerou um certo desconforto junto aos secretários municipais.

Gilberto ainda revelou estar cansado de ouvir que o Estado de Mato Grosso é um dos piores no ranking de vacinação.

“Outro fato que nos deixa em situação desconfortável é a falta de alimentação do sistema por parte dos municípios, que são os responsáveis pela operacionalização. Sem fazer registro fica difícil saber a performance de cada um, eu sei que gera um certo desconforto. Nós estamos cansados de ter que ouvir que Mato Grosso é um dos piores no ranking de vacinação”, declarou o secretário.

console.log(‘Aud01’);