Reprodução

O secretário Estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, disse em entrevista ao programa Jornal da Manhã, da rádio Jovem Pan, nesta terça-feira (02), que Mato Grosso já vive um colapso na rede pública de saúde, em decorrência da segunda onda da Covid-19.

“Já colapsou, Santa Cataria, Paraná, Rio Grande do Sul […] Então, porque, que aqui vai ser diferente? Aqui não vai ser diferente, infelizmente eu tenho que ser realista né. Nós chegamos no nosso limite de capacidade de criar leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI), a tendência agora é nos começarmos a ampliar as taxas de ocupação nos leitos de enfermarias”, disse Gilberto.

De acordo com o secretário, quando chega a 90% de ocupação dos centros especializados em atendimento para Covid, para totalizar a 100% são três dias, então o colapso no sistema de Mato Grosso já está acontecendo igual em outras cidades do Brasil.

Figueiredo também questionou o procedimento de tratamento de pacientes em leitos de enfermaria e UTIs, principalmente nas unidades de Cuiabá. Com o colapso no sistema de saúde, para o secretário não adianta ficar abrindo leitos de UTIs se o procedimento no tratamento contra o coronavírus não for reorganizado.

“No Metropolitano nós temos uma taxa de ocupação nós leitos de enfermaria alto, e é correto, nós temos que ter mais pacientes em enfermaria, do que em leitos de UTIs. Quando você vai olhar o painel de leitos do Pronto-Socorro de Cuiabá, tem 120 leitos de enfermaria, e tem 25 pacientes internados, tem alguma coisa errada, porque os pacientes não estão sendo tratados em enfermarias. Então nos podemos abrir e abrir leitos de Utis, que não vai resolver o problema”, afirmou Gilberto.