Fablicio Rodrigues

A deputa Janaina Riva (MDB), não deve subir para a presidência da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), por dois motivos, o seu sobrenome e por causa do seu sogro, o senador Wellington Fagundes (PL).

O sobrenome Riva ainda pesa e causa arrepios nos corredores da Casa de Leis, após hegemonia de 20 anos do ex-presidente José Geraldo Riva, seu pai.

Riva atuou como bem quis na AL, fez o que desejava e hoje ainda responde pelos seus atos na Casa.

O segundo motivo, ainda familiar, Wellington Fagundes pode ser oposição ao atual governador de Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), na próxima eleição de 2022.

Mendes tem grande apoio dentro a ALMT, e o partido de Janaina, o Movimento Democrático Brasileiro é base de Mauro, deixando-a em uma situação complicada.

Como presidente da AL, o que Janaina faria na eleição governamental de 2022? Apoiaria o pai do seu marido, e assim, ficaria isolada dentro da Assembleia, e sozinha dentro do MDB, já que são apoiadores de Mendes ou ficaria do lado do governador, deixando de lado sua família.

Só não pode ficar em cima do muro ou como os covardes denominam, neutra.