Taiguara Luciano

“O Pantanal ainda queima! Esse importante bioma continua precisando do nosso olhar sensível para respirar novamente”. A declaração é do artista plástico Adriano Figueiredo, que novamente dará voz à dor do Pantanal por meio da segunda edição do projeto Renasça. Nesta edição, serão três exposições com 10 obras, retratando o cenário devastador que ainda aflige o bioma, mesmo após o fim das queimadas.

Selecionado no edital MT Nascentes promovido pela Secretária de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (SecelMT) com recursos da Lei Aldir Blanc, o projeto conta com obras pintadas a partir do carvão, terra e cinzas, matérias-primas provenientes das queimadas, seguindo a mesma linha de produção de sua primeira edição. Após as exposições, as pinturas irão a leilão e, o valor arrecadado, destinado para a recuperação do bioma.

Ao fazer uma análise a partir das suas idas ao Pantanal, Adriano relata o que seus olhos de artista veem.  O artista pontua que a sensação é de que após as queimadas e os primeiros auxílios, as pessoas se esqueceram do ocorrido como se o problema tivesse sido resolvido.

“O bioma continua com grandes resquícios dessa tragédia, todos seus elementos estão sofrendo degradação. Por isso, decidi dar continuidade no Renasça, que em sua primeira edição conseguiu alcançar vários envolvidos nessa luta. Pudemos somar aos trabalhos de Organizações Não Governamentais (ONG’s), grupos de voluntários, famílias ribeirinhas, entre tantos outros. É um trabalho de formiguinha, mas que dá resultados. O Pantanal precisa renascer e juntos, nessa força-tarefa, podemos vencer esse desafio e salvar esse patrimônio natural mundial”, reflete.

O cronograma de exposições teve início nessa quinta-feira (04.02) e segue até 13 fevereiro no Várzea Grande Shopping.  De 15 a 24 de fevereiro, os trabalhos podem ser conferidos no Shopping Estação Cuiabá. E de 26 de fevereiro a 7 de março, as obras serão expostas no Palácio Paiaguás, sede do Governo de Mato Grosso. A entrada é gratuita e cada exposição terá duração de 10 dias, seguindo os horários de funcionamento dos estabelecimentos e órgãos públicos.

Além das exposições, esta segunda fase também contará com a realização de três lives. A primeira será um bate-papo entre Adriano Figueiredo e o Coronel Bombeiro Militar Paulo André Barroso. O coronel esteve à frente do comando do Posto de Atendimento Emergencial aos Animais do Pantanal (PAEAS Pantanal), na Transpantaneira. A demais lives serão direcionadas ao público escolar, com foco nas unidades escolares públicas, caso o retorno das aulas aconteça dentro do período das ações do projeto.

“Com o boom das redes sociais, pensamos na inclusão das lives, levando o debate para além das pinturas, para aumentar o alcance do público. Isso expande o tema, conscientizando cada vez mais pessoas da relevância dessas ações de preservação de biomas como o Pantanal”, explica.