Christiano Antonucci

O Governo de Mato Grosso lançou nesta terça-feira (16.03) o Ser Família Emergencial, programa que vai atender cerca de 100 mil famílias de baixa renda com a transferência do auxílio de R$ 150, durante três meses.

Principal idealizadora do projeto, a primeira-dama do Estado, Virginia Mendes, reforçou a extrema situação de vulnerabilidade que vivem algumas famílias de Mato Grosso e fez um relato emocionado sobre o trabalho que tem desempenhado junto à Secretaria de Assistência Social e Cidadania do Estado (Setasc).

“Hoje quero agradecer em especial o meu marido, governador Mauro Mendes, por ter compreendido a necessidade desse projeto. Agradecer também aos deputados e à secretária Rosamaria [Setasc]. Uma mãe e um pai suportam tudo, menos ver um filho passando fome. E aqui em Mato Grosso temos muita gente nessa situação. Eu vim de família pobre, não passei fome, mas presenciei muitas pessoas passando fome ao meu lado. Então, a minha missão com Deus e o que me faz realizada hoje é poder ajudar as pessoas”, declarou a primeira-dama.

A medida foi um pedido pessoal da primeira-dama ao governador e visa contribuir com a qualidade de vida das famílias impactadas economicamente durante a pandemia da Covid-19.

“Não poderia deixar de destacar e agradecer a atuação da minha esposa, Virginia, que mesmo com todas as suas limitações e dificuldades de sua saúde, vai muito além do seu trabalho de primeira-dama. O Programa Ser Família já existe, mas entendemos que nesse momento de pandemia era preciso fazer ainda mais. Inicialmente esse programa terá a duração de três meses, mas podemos estendê-lo. Para alguns, que tem muito, isso pode ser pouco. Mas tem gente que não tem R$ 150 para colocar comida dentro de casa. Bem aventurados são aqueles que podem ajudar. Então, que bom que podemos e estamos ajudando”, acrescentou o governador Mauro Mendes.

O benefício financeiro será concedido por meio de parceria com a Assembleia Legislativa, articulada pelo presidente Max Russi junto à primeira-dama.

Ao todo, serão aportados investimentos na ordem de R$ 45 milhões neste programa, sendo R$ 35 milhões dos cofres do Estado e R$ 10 milhões, disponibilizados pelo Legislativo, relativos ao duodécimo.

De acordo com o presidente da Assembleia Legislativa, o projeto de lei que regulamenta o auxílio será aprovado já nos próximos dias.

“O Ser Família avançou bastante nesta gestão, a pandemia infelizmente não deixou que avançasse ainda mais. Mas eu tenho certeza que este é o maior programa nacional de assistência social. A Assembleia Legislativa se sente muito feliz em ser parceira deste projeto, que já devemos votar amanhã. Eu não tenho dúvidas, terá a aprovação de todos os deputados estaduais”, declarou Max Russi. “Primeira-dama, que a senhora continue abençoada e com esse olhar, com essa atenção, porque essas famílias precisam do seu apoio”, acrescentou o presidente do Legislativo.

O auxílio emergencial será fornecido por meio de cartões, que serão distribuídos e coordenados pela Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Setasc). A titular da pasta, Rosamaria Carvalho explicou que as famílias serão selecionadas por meio do Cadastro Único (CadÚnico) do Ministério da Cidadania e também abrangerá os beneficiários do Bolsa Família.

“Nós vivemos em um estado muito rico, mas que tem nele uma parcela significativa da população em extrema pobreza. Fizemos um filtro no Cadastro Único, estamos falando de pessoas que recebem até R$ 89 per capita. Então, neste contexto, temos 132 mil famílias em vulnerabilidade. Nos enche de alegria hoje, quando pensamos que dessas 132 mil famílias, a partir de agora 100 mil contarão com essa ajuda do Governo do Estado. As demais famílias, é importante dizer, não estarão desamparadas e também receberão ajuda através de outros programas dentro do Ser Família”, frisou Rosamaria Carvalho.

Também participaram do lançamento os deputados estaduais Dilmar Dal’Bosco, Carlos Avalone, Wilson Santos, Valmir Moretto, Sebastião Rezende, Dr. João José, João Batista, Eduardo Botelho e Ondanir Bortolini, o Nininho; os prefeitos Tatá Amaral, de Poconé, e Andreia Wagner, de Jaciara; e os secretários de Estado, Mauro Carvalho (Casa Civil), Rogério Gallo (Fazenda), Gilberto Figueiredo (Saúde), Basílio Bezerra (Planejamento e Gestão), Alberto Machado, o Beto Dois a Um (Cultura, Esporte e Lazer), Jefferson Moreno (Turismo).

Quem terá direito ao Ser Família Emergencial

– o Ser Família Emergencial será concedido às famílias com renda mensal per capita de até R$ 89;
– o auxílio abrangerá beneficiários em situação de pobreza e extrema pobreza, inscritos no Cadastro Único das Políticas Sociais Brasileiras do Ministério da Cidadania (CadÚnico), e também inscritos no Programa Bolsa Família;
– somente será permitida a concessão de um benefício por família;
– terão preferência na concessão do benefício, as famílias consideradas em estado de extrema pobreza;
– o pagamento do benefício será feito preferencialmente à mulher;
– o auxílio será destinado exclusivamente para compra de alimentos, sendo proibida a aquisição de bebidas alcoólicas, produtos a base de tabaco, cosméticos e combustíveis.